18.8.05

Noite de Chuva

Chuva elétrica cobre a madrugada
Cadência violeta sobre telhado que escorre
Lágrima que verte riscando, céu ao chão
Melancolia azul impressa numa paisagem

Asfalto onírico até o caminho do Sonho
Onde nada é o que salta aos olhos
E tudo não passa de um espaço curto
Entre um momento e outro

Nácreas vozes ecoam sem timbre ou tom
Rasgando o vento como flecha sem destino
Cantam insanidades e delícias nuas
Tragados pela correnteza de um beco sem saída

No borrão do vidro, rostos corados
Elevam as falas ao pudor do vinho
Delírios medidos de pureza inculta
Derramando-se pelo recinto como calor

Clarões de raios arrancando a escuridão
Ocultam deuses que se beijam e dançam
Rodopios estrondosos adornados por trovões
Tempestade de dádivas sublimes no negror da noite

Nas plácidas poças da calçada uma esperança
De um dia de Sol, que ainda não foi

3 comments

Blogger elliot24clifford disse...

Just passing by your blog and though you'd like this website.

27.9.05  
Blogger mauricemartin2791 disse...

i thought your blog was cool and i think you may like this cool Website. now just Click Here

29.9.05  
Anonymous Anônimo disse...

Bom dia , qual é o nome do Autor dessa Poesia ? ...
Obrigado.

18.9.15  

Postar um comentário

<< Home